Problemas com calvície precoce?

Cada vez mais homens e mulheres sofrem de calvície, também designada como alopecia androgenética.
Nota-se também que esta falha tem vindo a revelar-se em indivíduos geneticamente suscetíveis cada vez mais cedo. Sendo em muitos detetada logo após a puberdade.

Quais os sintomas de calvície nos homens?
 

Muitos começam por pensar de que só se trata de uma fase em que nos cai mais cabelos que o habitual. Portanto ficar com o cabelo mais ralo será apenas durante um tempo e certamente irá recuperar o cabelo perdido.
Mas, na realidade as hormonas masculinas (testosterona e seus derivados) ligam-se aos receptores localizados nos pelos e o processo de miniaturização dos fios de cabelo inicia em indivíduos geneticamente fragilizados.
As manifestações iniciais são distintas. Logo no final da fase da puberdade podem-se notar falhas na linha frontal do cabelo, as chamadas «entradas». Mais tarde vai-se desenvolvendo esse processo na zona superior da cabeça até à coroa, ou a perda do cabelo passa diretamente das «entradas» para o vértex da coroa.
O cabelo da zona occipital (zona da nuca, a área mais próxima do pescoço) normalmente é preservado. Este cabelo é o cabelo que pode ser transplantado de forma distribuída nas áreas calvas, de forma vitalicia.

Porque um cabelo cai e outro não?

A hormona designada por di-hidrotestosterona ou DHT pode ser produzida a partir de testosterona circulante, através de uma reação química provocada pela enzima (proteína que acelera reações químicas) denominada por 5-alfa-redutase.
A DHT é cinco vezes mais potente que a testosterona e é a hormona chave para o aparecimento da alopecia androgenética. Daí os receptores para esta hormona não se encontrarem distribuídos igualmente em todo o couro cabeludo.


Como prevenir a calvície?

Numa fase inicial de perda de cabelo é aconselhável o uso de medicamentos que ajudem a atrasar o processo, ou um tratamento de PRP. Tratamento este que estimula e incentiva o crescimento capilar.
O medicamento mais procurado por muitos foi o Finasteride ou Dutasteride. Medicamento inicialmente procurado para o tratamento da Hipertrofia Benigna da Próstata. Este faz com que os níveis de DHT diminuam no couro cabeludo e aumente a densidade capilar. A aplicação tópica está ainda em fase de estudo, pois, ainda só existe o uso via oral. Os contras do uso do finasteride (alguns possíveis efeitos secundários) são: 

- a baixa de líbido, impotência e diminuição do volume de ejaculação;
- diminuição do nível sérico do Antigéneo Específico da Póstata (PSA), este quando está elevado é um indicador para deteção precoce do cancro da próstata;
- possíveis dores ao urinar, dores no tórax, cefaleias, dores abdominais e diarreia.

Muitos têm procurado o Minoxidil como opção, este pode ser utilizado através de aplicação tópica ou via oral e tem como objetivo ajudar a atrasar a manifestação de calvície. O minoxidil estimula o crescimento de cabelo, bloqueando o cálcio somado à ação vasodilatadora.
O uso destes medicamentos não evita nem cura a alopecia androgenética / calvície apenas atrasam o seu aparecimento.

Como tratar a calvície?

Atualmente a única forma de recuperação permanente de cabelo é o recurso ao transplante capilar. A Direct é a mais recente e minimamente invasiva técnica de transplante capilar existente no mercado. Técnica exclusivamente utilizada por clínicas DHI. O recurso a este método permite obter resultados 100% naturais e com uma taxa de sobrevivência folícular de 97% .